TRANSPARÊNCIA / ÉTICA / PROBIDADE / DESENVOLVIMENTO

  A       C        E        C        C        I 

INSCRIÇÕES PARA O II SEMINARIO

​​​​Ação Cearense de Combate a Corrupção e a Impunidade

ACECCI e IFC organizam uma força-tarefa para fiscalizar unidades básicas de saúde de Fortaleza.


A Ação Cearense de Combate à Corrupção e Impunidade (ACECCI)  em parceria com o IFC – Instituto de Fiscalização e Controle,  organizaram uma força-tarefa que foi realizada entre os dias 17 e 21 de Agosto de 2015. A Caravana da Cidadania na cidade de Fortaleza, onde aconteceu a Auditoria Cívica na saúde do município.


O projeto objetivou fiscalizar as 91 unidades básicas de saúde de Fortaleza. A força-tarefa  contou também com a participação de representantes da Justiça Federal, Ministério Público, do Tribunal de Contas da União, OAB/CE, Sindicatos, Associações., movimentos sociais e conselhos de saúde.


O projeto teve início no dia 17 de agosto, às 08 horas, com uma conferencia de saúde no auditório do Edifício Sede da Justiça Federal no Ceará, cuja abertura oficial foi realizada pelo Juiz Federal Diretor do Foro, Dr. Bruno Leonardo Câmara Carrá. Na sequência, ocorreu a palestra do Juiz Federal Jorge Luís Girão Barreto, e, fechando a programação da manhã, a palestra da Auditora Diretora de Prevenção e Controle Social da Controladoria Geral da União (CGU).

CARAVANA DA CIDADANIA EM FORTALEZA - 17/08/2015

ABERTURA - CONFERENCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

150 VOLUNTARÍOS DIVIDIDOS EM 25 EQUIPES VISITAM IN LOCO

TODAS OS POSTOS DE SAÚDE DE FORTALEZA/CE

ENCERRAMENTO - AUDIÊNCIA PÚBLICA

APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO

AUDITÓRIA CÍVICA CONSTATA FALTA DE MANUTENÇÃO E REMÉDIOS VENCIDOS EM POSTOS DE SAÚDE PÚBLICA DE FORTALEZA

 MP, CGU, MS, OAB, SINDICATOS, CONSELHOS DE SAÚDE,MOVIMENTOS

SOCIAIS E SOCIEDADE EM GERAL PRESENTES NESTA CONFERENCIA

Ativistas sociais voluntarios organizados pela ACECCI receberão subsídios para a operacionalidade do trabalho. Foram 150 voluntários divididos em 25 equipes, distribuídas entres as 93 unidades de saúde. Cada grupo verificou a extrutura física dos postos, a aquisição de material de insumo, a farmácia, servidores, equipamentos, equipes, enfim todos os elementos pertinentes à atenção básica da saúde.z

 Os fiscais visitaram 89 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e testaram a qualidade dos serviços prestados para cobrar melhorias das autoridades. Após a visita, um relatório preliminar foi fechado com os principais problemas encontrados, segundo o diretor da ACECCI, Elmano Siqueira. "A maioria dos postos apresentava infiltrações no teto, mofo esverdeado e a amarronzado em pontos críticos, como salas de vacinação e de imunização. Locais que jamais deveriam ter contaminação também tinham cadeiras e macas enferrujadas", destaca. 

Foi uma ação conjunta com vários órgãos e pessoas e visando incentivar e fortalecer as ações de acompanhamento e fiscalização em diversas áreas como postos de saúde e hospitais. Esta iniciativa que capacita a sociedade civil tem tido ampla divulgação e, inclusive, tem inspirado outros municípios a criar grupos de controle social com a mesma finalidade.

As falhas estruturais nas unidades básicas que foram fiscalizadas por voluntários na Auditória Cívica. A demora para marcação de consultas também foi verificada.

​Infiltrações, mofo, remédios vencidos e até aparelhos enferrujados foram encontrados em alguns postos de saúde de Fortaleza, entre os dias 18 e 20 de agosto de 2015 durante auditoria cívica. A fiscalização foi coordenada pelo Instituto de Fiscalização e Controle (IFC), de Brasília, em parceria com a Ação Cearense de Combate à Corrupção - ACECCI.

A maioria dos postos apresentava infiltrações no  teto, mofo esverdeado e a amarronzado em pontos críticos, como salas de vacinação e de imunização. Locais que jamais deveriam ter contaminação também tinham cadeiras e macas enferrujadas", 

Após a visita, um relatório preliminar foi fechado com os principais problemas encontrados. O relatório preliminar, assinado pelo coordenador do IFC Diego Ramalho, aponta ainda que 41% dos usuários de saúde afirmam conseguir marcação de consultas em 20 dias e 59% não conseguem. O tempo de espera é prejudicado por conta da falta de especializações nos postos, especialista como ginecologista e pediatra foi encontrado gente aguardando exames desde janeiro de 2014.

CARAVANA DA CIDADANIA EM FORTALEZA - 19-20/08/2015

AUDITÓRIAS CÍVICA NA SAÚDE PÚBLICA DE FORTALEZA/CE